Doze polícias foram hoje mortos no Afeganistão, incluindo sete numa emboscada dos talibãs a sul de Cabul, anunciaram os responsáveis afegãos.

O ataque ocorreu na província de Logar na mesma altura em que o comandante das forças norte-americanas e da NATO no Afeganistão, o general Scott Miller, declarava que tinham começado os preparativos para a retirada das forças estrangeiras no país, como foi ordenado recentemente pelo Presidente Joe Biden.

Sete polícias morreram e três outros ficaram feridos numa emboscada montada pelos talibãs” no distrito de Mohammad Agha, disse à agência France-Presse Dedar Lawang, porta-voz do governador da província de Logar, à qual pertence este distrito. A polícia da província confirmou o ataque.

Eles pertenciam a uma unidade que guardava as minas de cobre, tendo a polícia da província confirmado o ataque.

O Afeganistão, cuja economia foi severamente afetada por décadas de conflito e corrupção desenfreada, tem reservas de cobre, ferro, cobalto e lítio.

Cinco outros polícias morreram e quatro ficaram feridos no distrito de Maiwand, na província de Kandahar, no sul do país, um bastião dos insurgentes, quando um carro cheio de explosivos bateu num veículo policial, adiantaram as autoridades.

O Ministério do Interior afegão apontou recentemente que os talibãs tinham perpetrado seis ataques suicidas e um total de 62 atentados à bomba nos 10 dias anteriores, matando mais de 60 e ferindo 180 civis.

A violência continua em várias províncias afegãs, apesar das negociações entre o Governo afegão e os talibãs.

Perante jornalistas em Cabul, o general Miller declarou que tinham começado os preparativos para retirar os soldados norte-americanos e entregar as bases sobretudo “ao Ministério da Defesa e às outras forças afegãs”.

O Governo norte-americano tem prevista a retirada de todas as tropas no Afeganistão até 11 de setembro, quando se assinala o 20.º aniversário dos atentados de 2001, que conduziram à guerra no país.

Numerosos analistas temem que esta retirada permita uma nova guerra civil no Afeganistão ou o regresso dos talibãs ao poder, do qual foram expulsos no final de 2001.

A partida dos 2.500 militares norte-americanos ainda no Afeganistão inicia-se em 01 de maio, juntamente com outros soldados da NATO. A Missão Apoio Resoluto da Aliança Atlântica junta 9.600 militares de 36 países, incluindo Portugal.

/ HCL