Um motim no centro de detenções na Venezuela matou, na noite de sexta-feira, 30 pessoas, segundo números do Observatório Venezuelano de Prisões (OVP).

No entanto, o número de feridos tornou-se um pouco incerto. O OVP fala em 26 feridos, dos quais 19 são polícias. Já o canal venezuelano NTN24 fala em 14 funcionários feridos, mas matém os 30 mortos. 

Na sexta-feira à noite, o último balanço apontava para, pelo menos, 19 feridos. 

Tudo terá começado quando os prisioneiros tentaram impedir a entrada das autoridades no complexo do centro de detenções da polícia, no estado venezuelano de Portuguesa, a 350 quilómetros da capital Caracas.

No twitter, o Observatório Venezuelano de Prisões (OVP), uma organização não governamental que apoia os prisioneiros, responsabiliza o Ministério dos Serviços Prisionais por aquilo que considera ter sido um massacre. Afirmou ainda que centro estaria a operar com 500 pessoas, o dobro da capacidade total.

O Ministério Público já esta a investigar a ocorrência.

O ano passado, registou-se um outro motim num centro prisional venezuelano que provocou a morte de 68 prisioneiros. Fontes locais garantem que cerca de 30 prisões no país estão sobrelotadas, com cerca de 57 mil detidos.