O número de vítimas mortais no incêndio na Grécia subiu para 80, de acordo com o último balanço divulgado pelas autoridades. De acordo com os números oficiais, o número de feridos mantém-se: há 187 feridos, incluindo 23 crianças. Há ainda dezenas de desaparecidos.

Segundo os bombeiros gregos, citados pela Reuters, o número deve aumentar nas próximas horas dado o elevado número de desaparecidos.

"É uma situação terrível aqui. Tivemos de correr do hotel para a praia e correr ao longo da praia, mas fomos apanhados pelo fogo e tivemos de nos atirar ao mar", contou Jaakob Makinen, um turista finlandês.

Mais de 1.500 casas foram afetadas e mais de 300 viaturas completamente destruídas pelas chamas, sobretudo em Mati, um dos bairros periféricos a norte de Rafina, onde muitos habitantes da capital têm segunda casa e onde passam férias de verão.

Os feridos em pior estado foram assistidos nos hospitais mais próximos e os desalojados colocados em hotéis ou em casa de familiares ou amigos, disse à Lusa na terça-feira à noite presidente da autoridade municipal de Rafina-Pikermi, Valeis Bournous.

O bairro de Rafina estava esta manhã quase deserto, sendo visível o cenário de destruição de casas, carros e árvores queimadas, postes de eletricidade derrubados pelo fogo.

Para a região foram mobilizados elementos da polícia, bombeiros e exército para ajudar nos esforços das autoridades gregas, que continuam à procura de eventuais vítimas do incêndio, em terra ou no mar.

O Governo de Alexis Tsipras decretou três dias de luto e pediu ajuda internacional na noite de segunda-feira, tendo já alguns países respondido com meios de apoio.

O executivo grego já desbloqueou uma verba de 20 milhões de euros, procedente do Programa de Investimento Público, destinada à ajuda imediata e a cobrir as necessidades das zonas mais afetadas.

O ministro da Administração Interna português, Eduardo Cabrita, anunciou na terça-feira que Portugal disponibilizou 50 elementos da Força Especial de Bombeiros (FEB) para ajudar a combater os incêndios na Grécia, no âmbito do Mecanismo Europeu de Proteção Civil.

Andreia Miranda / Notícia atualizada às 11:55