A companhia aérea norte-americana Delta Airlines anunciou esta quarta-feira que vai cobrar aos trabalhadores 200 dólares (170 euros) por mês no seguro de saúde da empresa se não estiverem vacinados contra a covid-19.

Ed Bastian, presidente executivo da empresa, indicou que todos os funcionários que estiveram internados com covid-19 nas últimas semanas não tinham a vacinação completa e que as hospitalizações custam em média à companhia 40 mil dólares (perto de 34 mil euros)

A Delta afirmou também que vai começar a exigir testes semanais, a partir de 12 de setembro, aos não vacinados, cobrindo os custos. Estes funcionários terão de usar máscara na empresa, uma decisão que será aplicada de imediato.

Por outro lado, a companhia referiu que a partir de 30 de setembro só dará ajudas financeiras de proteção contra a covid-19 aos funcionários que apesar de estarem completamente vacinados tenham ficado infetados.

Em comunicado, a Delta Airlines disse que 75% dos seus 75.000 funcionários estão vacinados, mais do que os 72% que havia em meados de julho, mas defendeu que o número deveria estar mais perto de 100% devido à "agressividade" da nova variante do vírus.

A penalização mensal de 200 dólares no seguro de saúde vai começar a ser paga em novembro.

"Esta sobretaxa é necessária face ao risco que a decisão de não se vacinar representa para a empresa", referiu Bastian, numa nota enviada aos trabalhadores.

As medidas foram anunciadas numa altura em que a variante delta tem levado a um aumento de casos de covid-19 nos Estados Unidos.

/ AG