Continuam as manifestações nas ruas das principais cidades chilenas, apesar do pacote de medidas sociais anunciado pelo presidente Sebastián Piñera. 

A pressão na rua tem subido de tom e já morreram 18 pessoas desde o início dos protestos, mesmo com a marcha-atrás do presidente. 

Os protestos começaram com a subida do preço dos bilhetes do metro: o Governo recuou, mas as manifestações continuam contra as desigualdades sociais.