As Forças Armadas dos Estados Unidos atacaram esta quinta-feira com mísseis duas bases identificadas como estando sob controlo de milícias xiitas. 

Esta operação marca a primeira ação militar da presidência de Joe Biden e surge em resposta aos ataques dirigidos contra o exército norte-americano durante as últimas duas semanas.

O local não está especificamente relacionado aos ataques com rockets, mas acredita-se que seja utilizado por milícias xiitas apoiadas pelo Irão que operam na região, indica a imprensa norte-americana.

De acordo com um comunicado do Pentágono, "as forças militares dos EUA  conduziram ataques aéreos contra a infraestrutura utilizada por grupos  apoiados pelo Irão no leste da Síria ”.

 

Ao mesmo tempo, agimos de maneira deliberada com o objetivo de desacelerar a situação geral no leste da Síria e no Iraque ”, disse o Pentágono, que acrescentou que os ataques destruíram várias instalações de um ponto de controlo usado por vários grupos militares, incluindo o Hezbollah (KH) e o Kata'ib Sayyid al-Shuhada (KSS).

Acredita-se ainda que o local seja usado como parte de uma operação de contrabando de armas pelas milícias. Os ataques foram realizados para diminuir a capacidade dos grupos de realizar ataques futuros e para enviar uma mensagem sobre os ataques recentes, confirmou o Pentágono.

A decisão de disparar mísseis contra as bases na Síria foi tomada "de cima para baixo", disse um oficial de defesa à CNN, e não por causa de uma recomendação específica dos militares.

Os ataques acontecem no momento em que Washington e Teerão negoceiam sobre o programa nuclear do país, sendo que esta operação militar pode complicar um processo já frágil.