O Pentágono confirmou esta segunda-feira a queda de um avião militar norte-americano no Afeganistão mas referindo não possuir indicações de que tenha sido atingido por disparos inimigos, quando os talibãs asseguram que foi “taticamente abatido”.

Um bombardeiro E-11A americano despenhou-se hoje na província de Ghanzi, no Afeganistão”, referiu em mensagem no Twitter o porta-voz das forças militares norte-americanas no Afeganistão, coronel Sonny Leggett.

O bombardeiro E-11A é um aparelho de apoio aos ‘drones’ de reconhecimento, equipado com material de comunicações muito dispendioso.

“Está em curso um inquérito sobre as causas do acidente, mas não existe qualquer indicação que tenha sido provocado por tiro inimigo”, acrescentou Leggett.

  

Previamente, os talibãs tinham reivindicado o derrube do aparelho, e segundo os talibãs e as autoridades afegãs não houve sobreviventes, apesar de não ter sido ainda revelado o número de ocupantes.

O porta-voz talibã Zabihullah Mujahid reivindicou em comunicado o derrube do avião e assegurou que pertencia às Forças Armadas norte-americanas, desmentindo as primeiras versões oficiais que apontavam para um voo comercial.

Um avião pertencente às forças invasoras americanas foi derrubado na província de Ghanzi e vários oficiais norte-americanos de alta patente morreram”, assegurou o porta-voz talibã.

Mujahid disse ainda tratar-se de um voo “em missão secreta” e “todos os tripulantes do avião e os responsáveis da CIA a bordo morreram”, assegurando que “os restos do aparelho e os cadáveres dos tripulantes estão na zona” do impacto.

Este incidente coincide com as conversações mantidas no Catar entre representantes dos EUA e dos talibãs, que segundo os insurgentes se encontram muito avançadas.

No entanto, o incidente de hoje poderá implicar um novo obstáculo às negociações.

  

Um vídeo publicado no Twitter mostra os destroços daquilo que se pensa ser o avião de vigilância eletrónica Embraer Bombardier E-11 que terá caído na província de Ghanzi.

 
 

Inicialmente foi noticiado que um avião que caiu seria comercial e transportava 83 pessoas. 

Apesar de, inicialmente, ser reportado que o avião pertencia à companhia aeréa afegã Ariana Airlines, a empresa já veio a público desmentir essa possibilidade.

 
/ HCL - atualizada às 19:53