A NATO expulsou sete diplomatas da missão da Rússia junto da aliança, segundo anunciou esta terça-feira o secretário-geral Jens Stoltenberg.

24 Estados deram a mesma ordem de saída no seguimento do envenenamento do ex-espião Serguei Skripal no Reino Unido, que os britânicos atribuem a Moscovo.

A Aliança Atlântica rejeitou os pedidos de acreditação para outros três elementos da missão da Rússia.

“Envia uma mensagem muito clara à Rússia de que há consequências”, disse Stoltenberg, em conferência de imprensa.

O responsável referiu ainda que a NATO decidiu reduzir o número de representantes russos de 30 para 20.

O caso Skripal provocou uma grave crise diplomática entre a Rússia, o Reino Unido e os países ocidentais.

Em 14 de março, Londres anunciou a expulsão de 23 diplomatas russos do território britânico e o congelamento das relações bilaterais, ao que Moscovo respondeu expulsando 23 diplomatas britânicos e suspendendo a atividade do British Council na Rússia.

Quanto a Portugal, o Ministério dos Negócios Estrangeiros emitiu um comunicado onde "toma boa nota" das decisões de vários países-membros da União Europeia, mas deverá esperar por uma decisão comunitária para agir. 

Catarina Pereira