As queixas nas seguradoras devido aos incêndios na Califórnia, nos Estados Unidos, que ocorreram em novembro, ascendem a 11,4 mil milhões de dólares (10 mil milhões de euros), foi anunciado esta segunda-feira.

Mais de 8.000 milhões de dólares (7.000 milhões de euros) são resultantes de perdas e danos causados pelo incêndio que atingiu a cidade de Paradise, que matou 86 pessoas e destruiu cerca de 15 mil casas, explicou o comissário de seguros do Estado, Ricardo Lara.

Outros cerca de 3.000 milhões de dólares (2.625 milhões de euros) são relativos a outros dois incêndios no sul da Califórnia que ocorreram na mesma altura, em novembro de 2018.

“Ainda temos um longo caminho a percorrer até que nos possamos sentir de novo inteiros”, disse Ricardo Lara.

O total de 11.400 milhões de dólares (9.975 milhões de euros), que ainda pode vir a subir, está um pouco abaixo das perdas registadas pelos incêndios de 2017 que atingiram a região vinícola do norte da Califórnia em outubro e o sul da Califórnia em dezembro, com um valor de 12.400 milhões de dólares (10.850 milhões de euros).

As autoridades oficias ainda não determinaram as causas dos incêndios, mas a empresa Pacific Gas & Electric Corp, que está perto de abrir falência, é suspeita de ter equipamento seu envolvido na origem incêndio que ocorreu em Paradise.

Apesar das dúvidas, Ricardo Lara referiu que as seguradoras se estão a preparar para pagar aos queixosos, a maioria deles donos das habitações afetadas.

“Estamos confiantes que as seguradoras têm dinheiro para garantir que as pessoas fiquem bem”, defendeu.