O número de mortes provocadas pelo ciclone Eloise, entre sábado e domingo, no centro de Moçambique, subiu de nove para 11, anunciou o Instituto Nacional de Gestão de Desastres (INGD), esta quinta-feira, no mais recente balanço.

Segundo o novo balanço das autoridades, sete pessoas morreram na província de Sofala, três em Manica e uma na Zambézia, além de outras 15 que ficaram feridas.

O ciclone afetou ainda um total de 51.102 famílias, o correspondente a 267.289 pessoas, das quais 20.167 estão deslocadas.

Os dados do INGD revelam ainda que um total de 6.297 casas precárias foram totalmente devastadas, outras 11.254 foram parcialmente destruídas, havendo também 86 unidades hospitalares afetadas.

O ciclone Eloise atingiu o centro de Moçambique no sábado, depois de a tempestade Chalane ter provocado sete mortos, na mesma zona, no final de 2020.

O país está em plena época chuvosa e ciclónica, que ocorre entre os meses de outubro e abril, com ventos oriundos do Índico e cheias com origem nas bacias hidrográficas da África Austral.

O período chuvoso de 2018/2019 foi dos mais severos de que há memória em Moçambique: 714 pessoas morreram, incluindo 648 vítimas de dois dos maiores ciclones (Idai e Kenneth) que já se abateram sobre o país em tão poucas semanas.

/ NM