A Coreia do Sul decidiu voltar a impôr medidas de confinamento após um surto de Covid-19, noticia a agência noticiosa France Press (AFP).

Vários focos da doença estão a colocar em causa o sucesso de um país que foi considerado um exemplo mundial no combate ao novo coronavírus.

A partir desta sexta-feira, e durante duas semanas, os museus, parques e galerias de Seul estarão encerrados ao público, anunciou o ministro da Saúde, Park Neung-hoo.

Às empresas foi pedido que voltassem a adotar práticas flexíveis de trabalho, como o teletrabalho, além de outras medidas, como estarem atentas a trabalhadores doentes. 

Decidimos reforçar as medidas de confinamento na área metropolitana de Seul por duas semanas, até 14 de junho", disse Park Neung-hoo.

Nas últimas horas, o Centro de Prevenção e Controlo de Doenças da Coreia do Sul registou 79 casos positivos, 67 dos quais na área metropolitana de Seul, onde vive cerca de metade da população do país.

Um número que não era registado há mais de 50 dias, quando foram contabilizados 81 casos a 5 de abril.

Este novo surto está ligado a uma empresa de comércio on-line, concretamente a um armazém, onde cerca de 4.000 trabalhadores e visitantes estão em isolamento, depois de mais de 80% já ter realizado testes à Covid-19.

Estamos a contar com um aumento de novos casos ligados a este surto até ao final do dia, quando concluirmos os testes", acrescentou o vice-ministro da Saúde, Kim Gang-lip.

Mas há centenas de infeções anteriores que estão a ser ligadas à abertura de discotecas e outros espaços de entretenimento, que voltaram a encher no início de maio, quando as medidas de confinamento foram aliviadas, a dia 6.

As autoridades de saúde sul-coreanas avisam que está a ser cada vez mais difícil controlar a origem dos focos da doença, pelo que o ministro da Saúde pediu aos habitantes de Seul para evitarem ajuntamentos, incluindo em restaurantes e bares, caso contrário será obrigado a impor, de novo, medidas de distanciamento social.

As próximas duas semanas serão cruciais para evitar a propagação da infeção na área metropolitana. Teremos de voltar ao distanciamento social se falharmos", avisou.

Afastado, para já, está o adiamento da reabertura faseada das escolas, depois de, na quarta-feira, o ministério da Educação ter admitido que a mesma poderia ser adiada em 561 estabelecimentos a nível nacional devido à Covid-19.

No total, foram registados, até ao momento, 269 óbitos e 11.344 casos positivos na Coreia do Sul, dos quais 10.340 doentes já recuperaram da doença. 

Catarina Machado