O príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, advertiu hoje “todos aqueles que exploram” com fins políticos o caso da morte do jornalista saudita Jamal Khashoggi, numa crítica velada à Turquia.

As tensões entre a Turquia e a Arábia Saudita intensificaram-se após o brutal assassínio de Khashoggi no consulado saudita em Istambul, em outubro do ano passado.

“A morte de Jamal Khashoggi é um crime muito doloroso. Todos aqueles que exploram o caso do ponto de vista político devem deixar de o fazer e apresentar provas ao tribunal, o que contribuirá para a justiça", disse Mohammed bin Salman, em entrevista ao diário Asharq al-Awsat, sem nomear a Turquia.

Na mesma entrevista, manifestou ainda o desejo de manter relações estreitas com “todos os países islâmicos, incluindo a Turquia”.

Segundo a imprensa, a CIA acredita que a ordem para matar o jornalista foi dada pelo próprio príncipe herdeiro. O regime saudita nega, alegando que se trata de uma operação não autorizada pelo governo.

No processo perante os tribunais sauditas, a acusação ilibou o príncipe herdeiro e implicou mais de 20 pessoas, exigindo a pena de morte para cinco homens.

Jamal Khashoggi, que tinha emigrado para os Estados Unidos, era crítico de Mohammed bin Salman.