Espanha está a enfrentar o maior surto de listeriose - uma infeção associada ao consumo de alimentos contaminados - alguma vez registado no país. As autoridades espanholas confirmaram, esta sexta-feira, que outras três grávidas perderam o bebé e que os casos estarão ligados à bactéria, elevando para cinco o número total de abortos. Dois dos casos comunicados esta sexta-feira são em Sevilha e um em Madrid.

O Conselho de Saúde da Andaluzia confirmou a perda dos três bebés, adiantando que as mulheres de Sevilha estavam na 32ª e 8ª semanas de gestação. A grávida de Madrid também estava na 8ª semana de gravidez. Embora tenha sido confirmado que todas as três mulheres ingeriram carne que pode estar contaminada, as autoridades aguardam ainda os resultados das análises que o comprovam.

O anúncio foi feito por Jesús Aguirre, que adiantou que está em curso um processo no Ministério Público espanhol tendo em vista a investigação do caso e o apuramento de eventuais responsabilidades.

Se o Ministério Público vir delito, a Junta da Andaluzia exercerá a acusação para defender os interesses dos familiares dos falecidos, das grávidas que perderam os seus bebés e de todo o conjunto dos afetados", explicou.

Além dos três abortos confirmados esta sexta-feira, as autoridades confirmaram que uma grávida tinha perdido o bebé a 2 de agosto, num caso também relacionado com listeriose, juntando-se outro caso, que aconteceu a 12 de agosto. Estes dois últimos abortos ocorreram ainda antes de ser decretado o estado de alerta sanitário devido à listeriose.

O porta-voz do gabinete que acompanha a crise, José Miguel Cisneros, pediu a todas as mulheres com sintomas que se dirijam ao hospital mais próximo, relembrando ainda que 11 mulheres infetadas deram à luz 12 bebés saudáveis.

O surto de listeriose já fez três mortos em Espanha. As vítimas mortais tinham idades na casa dos 70 e 90 anos, e todas tinham doenças anteriores que as colocavam entre os grupos de risco. A listeriose pode revelar-se especialmente complicada em pessoas frágeis como crianças, grávidas, idosos ou pessoas com sistema imunitário comprometido.

Não houve confirmação de nenhum novo caso de listeriose desde quinta-feira, o que mantém o número de infetados nos 197, dos quais 162 são de Sevilha, a cidade mais afetada. Contactado pelo El País, um médico especialista em medicina preventiva e saúde pública explicou os riscos da infeção para os bebés que possam nascer: "Os bebés afetados podem apresentar encefalopatias ou atraso mental, e podem ter graves sequelas neurológicas".

Dos pacientes infetados,  67 estão hospitalizados, 23 dos quais são grávidas, que estão a receber tratamento. Três doentes estão internados nos cuidados intensivos.

O surto de listeriose foi causado pela carne da empresa de Sevilha Magrudis SL, comercializada sob a marca Mechá, que não é vendida em Portugal. O Ministério da Saúde de Espanha já emitiu um comunicado a pedir à população para não consumir esta carne embalada.