As tempestades que atingiram Itália desde domingo mataram 10 pessoas, anunciou a proteção civil. Muitas escolas em todo o país permaneceram fechadas.

Além das seis vítimas identificadas durante o dia de segunda-feira, um homem morreu em Veneto (nordeste) na sequência da queda de uma árvore, bem como um bombeiro, no sul de Tirol (norte), que estava envolvido nas operações de socorro.

Uma mulher morreu num deslizamento de terra e pedras na casa onde habitava, no norte de Trentino, disseram as autoridades.

Nápoles, Ligúria e Lácio foram outras das zonas onde se registaram mortes.

Na capital italiana, o vento derrubou várias árvores, que danificaram viaturas, e levou ao encerramento de diversas atrações turísticas, entre elas o Coliseu de Roma.

Em Veneza, a maré subiu para 156 centímetros acima do nível do mar, o máximo desde 2008, o que provocou inundações em várias ruas, bem como a suspensão da rede de transportes públicos urbanos.

A agência italiana Ansa noticiou estragos no piso de mosaicos da famosa basílica de São Marcos, onde a água atingiu os 90 centímetros. As portas e colunas de metal também sofreram danos.

Um deslizamento de terra levou ao corte temporário da autoestrada de Brenner, que liga Itália à Áustria.

Cerca de 6.000 bombeiros foram destacados para remover destroços em estradas em todo o país, tendo um deles morrido na queda de uma árvore em Bolzano, no Tirol italiano.