Os presidentes da Comissão Europeia e do Conselho Europeu assinaram esta quarta-feira formalmente, em Bruxelas, o Acordo de Comércio e Cooperação que regerá a nova parceria com o Reino Unido no pós-Brexit, já a partir de sexta-feira.

Na sequência do compromisso alcançado em 24 de dezembro, os textos do acordo foram assinados hoje de manhã, numa breve cerimónia em Bruxelas, pela presidente do executivo comunitário, Ursula von der Leyen, e pelo presidente do Conselho, Charles Michel, e seguirão de imediato de avião para Londres, onde deverão ser assinados, à tarde, pelo primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, no mesmo dia em que o parlamento britânico dará a sua ‘luz verde’ à nova parceria com a UE.

Uma vez que o período de transição do Brexit expira na quinta-feira, no último dia do ano, que assinala a saída em definitivo do Reino Unido do mercado único e união aduaneira e a concretização do primeiro 'divórcio' da história da UE, o acordo vai ser aplicado de forma provisória a partir de sexta-feira, 01 de janeiro, previsivelmente até final de fevereiro, de modo a dar tempo ao Parlamento Europeu para analisar o acordo e aprová-lo.

UE “pronta a trabalhar lado a lado com Reino Unido” nas grandes questões

A União Europeia “está pronta a trabalhar lado a lado com o Reino Unido” nas grandes questões, que exigirão discussões regulares entre dois “parceiros estratégicos”, afirmou o presidente do Conselho Europeu, após assinar o novo acordo de parceira.

O acordo hoje assinado é o resultado de meses de intensas negociações, nas quais a UE deu provas de um nível de unidade sem precedentes. É um acordo justo e equilibrado que protege totalmente os interesses fundamentais da UE e cria estabilidade e previsibilidade para os cidadãos e empresas”, comentou Charles Michel

Sublinhando que é agora “da maior importância para a UE e para o Reino Unido olhar em frente, com vista à abertura de um novo capítulo nas suas relações”, Charles Michel aponta que, “nas grandes questões, a UE está pronta a trabalhar lado a lado com o Reino Unido”, e aponta a título de exemplo o combate às alterações climáticas, à luz da conferência da ONU que decorrerá no próximo ano em Glasgow, e na resposta global a pandemias, à luz da atual pandemia da covid-19.

Nos Negócios Estrangeiros, procuraremos a cooperação em questões específicas, com base nos valores e interesses partilhados”, acrescenta Charles Michel, apontando que “estas são grandes questões que terão de ser discutidas numa base regular”, como a UE faz com os seus “parceiros estratégicos”.

Depois da breve cerimónia de assinatura do acordo, na sede do Conselho Europeu, sem lugar a declarações, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, deu conta do evento numa publicação na sua conta oficial na rede social Twitter, comentando que “foi um longo caminho” até ser possível chegar a este acordo, mas “agora é tempo de pôr o Brexit para trás das costas”.

O nosso futuro é feito na Europa”, escreveu.

/ RL