O comando militar do Iraque anunciou esta quarta-feira que 22 mísseis atingiram o território do Iraque detalhando que não há vítimas entre as forças do Iraque.

Entre as 01:45 e as 02:15 (22:45 e 23:15 de terça-feira) o Iraque foi bombardeado por 22 mísseis sendo que 17 foram contra a base aérea de Ain al-Assad e cinco contra a cidade de Erbil”, indica o comunicado iraquiano.

Nos Estados Unidos, o Pentágono confirmou os disparos admitindo ser possível que se tratou de um ato de retaliação pela morte de Soleimani.

Pelo menos um míssil iraniano atingiu a base de Bardarash, a cerca de 50 quilómetros de Erbil, no Curdistão iraquiano.

A base aérea de Ain Al Asad é a segunda maior do Iraque. Localizada a aproximadamente 180 quilómetros de Bagdad, foi atacada, juntamento com outra base perto da cidade de Erbil, por mísseis balísticos nas primeiras horas de quarta-feira.

Donald Trump reagiu ao ataque esta quarta-feira. Garantiu que nenhum soldado americano ficou ferido e afirmou que, enquanto for presidente dos EUA, "o Irão nunca terá armas nucleares".

A vossa campanha de terror não vai mais ser tolerada", disse Trump, sublinhando que ,"nos últimos meses, o Irão apreendeu navios em águas internacionais, disparou um ataque não provocado à Arábia Saudita e abateu dois drones americanos".

Fotografias de satélite tiradas na madrugada do ataque mostram o dano causado pelos mísseis balísticos iranianos à base aérea dos Estados Unidos de Ain Al-Assad.

 

As imagens foram publicadas pela Planet em colaboração com a NPR e mostram hangares e edifícios momentos depois de serem atingidos pelos misseis. 

 

O dano provocado à base de Ain Al-Assad ganha outra dimensão quando contextualizada com a importância estratégica da base aérea.

Nos últimos dois anos, Trump e o vice-presidente Mike Pence realizaram várias visitas inesperadas à base localizada na província de Anbar, a cerca de 217 quilómetros da fronteira com a Síria. 

Em 2018, Trump descreveu a visita à base de Ain Al-Asad, revelando que se sentiu em perigo.

Estava preocupado com a instituição da presidência porque - não propriamente com a minha pessoa - temia pela segurança da primeira dama, digo-vos. Se vissem tudo por aquilo pelo qual tivemos de passar, com o avião às escuras, com as janelas todas fechadas, sem luz”, caracterizou o presidente dos Estados Unidos.

A base de Ain al-Asad foi utilizada pela primeira vez pelas tropas americanas em 2003 durante a invasão que derrubou Saddam Hussein. Mais recentemente, a base recebeu vários militares americanos que estavam estacionados no país para lutar contra o Estado Islâmico no Iraque e na Síria. 

Cerca de 1.500 soldados estavam estacionados na base no momento do ataque de Teerão.

 

 

Leia também