A menina Primrose Austin, de 5 anos, nasceu com uma síndrome muito rara chamada Síndrome de Eliminação 6p25. Com olhos cor de prata e quase surda, a menina foi adotada por um casal americano há três anos.

Quando estava no orfanato, na China, o casal Eryn e Chris Austin foi informado que a menina era cega por causa de um glaucoma mal curado. Na verdade, ela tinha uma doença rara. Quando foi adoptada, não sabia levantar a cabeça ou beber uma garrafa de água.  

Os pais levaram-na para a cidade de Buford, estado da Georgia, e deram início os tratamentos da filha.

Há cerca de oito meses, começou a ter dores extremas e foi levada ao hospital. Uma ressonância magnética revelou que a pressão aumentava num olho, enquanto diminuía o tamanho do outro. As dores, descritas como excruciantes, eram causadas por um deslocamento da retina. O sofrimento era tanto que a menina, segundo a mãe, chegou a chorar 16 horas por dia e recusava-se a comer e a beber.

Depois de muitas avaliações, os pais optaram pela cirurgia para retirar os olhos, recomendada pelos médicos.

Depois da operação, a menina recuperou rapidamente. Dois dias depois já sorria e conseguiu levantar-se pela primeira vez em meses.

Aos poucos, Primrose está a aprender a andar de novo e a comunicar através do o toque e língua gestual. 

Apesar das melhorias, a mãe ainda fala das dificuldades no quotidiano da filha.

Certos dias é uma luta por um sorriso, noutros o sorriso desaparece. Passamos dias de muita alegria, mas noutros trabalhamos arduamente para encontrar a alegria e mantê-la.

Ela já não tem dores nos olhos, mas também não está completamente bem. Não há dias fáceis, são 24 horas de desafios. Ainda não sabemos se é tudo provocado pelo síndrome, ou se há algo mais.”, desabafa Eryn no Facebook.