Foram divulgados relatórios que revelaram que há 132 aldeias da Índia onde não nascem raparigas há pelo menos três meses. A causa apontada para este fenómeno é a "seleção sexual" nos abortos ilegais. O Governo considerou a situação preocupante e decidiu abrir uma investigação.

Estas "aldeias sem raparigas", como são conhecidas, localizam-se em Uttarakhand, um estado no norte da Índia, com cerca de 400 mil habitantes, divididos por 550 aldeias. Uma zona montanhosa que tem enfrentado um enorme desequilíbrio na proporção entre sexos. 

Segundo a BBC, que teve acesso aos documentos, entre abril e junho, nasceram 216 rapazes e zero raparigas nessas 132 aldeias. No entanto, dados das autoridades acabaram por baralhar um pouco estas contas. De acordo com as informações recolhidas, estes têm registo de 180 raparigas e nenhum rapaz, durante o mesmo período, noutras 129 aldeias. Como se não bastasse, há ainda outras 166 regiões onde nasceram 88 meninas e 78 rapazes. 

Ainda segundo as autoridades, no total, nasceram 961 crianças em Uttarakhand, entre abril e junho: 479 raparigas e 468 rapazes. Os restantes 14, provavelmente, morreram à nascença. 

Uma das possibilidades para esta disparidade de números, prende-se com o facto de o estudo ter sido feito com base em números fornecidos por voluntários da área da saúde. 

Para esclarecer o caso, foram enviados 26 agentes para 82 dessas aldeias para verificar a veracidade dos dados recolhidos e perceber se se passa ou não alguma coisa de errado ou ilegal.