O tribunal de Los Angeles negou o requerimento interposto pelo advogado de Britney Spears para que o pai, Jamie Spears, deixasse de ser o tutor legal da cantora.

A decisão foi tomada após um depoimento de Britney, que afirmou que a tutela era “abusiva” e que lhe estava a fazer “mais mal do que bem”.

A notícia foi avançada pelo TMZ, que sublinha que Jamie Spears continuará com a mesma responsabilidade, "pelo menos por enquanto". 

Eu só quero minha vida de volta. Esta tutela está a fazer-me mais mal do que bem", disse ao tribunal.

A cantora acusa o pai de a impedir de ter mais filhos, de a obrigar a atuar em concertos e a tomar lítio, um medicamento para o transtorno bipolar. Britney é mãe de dois rapazes, mas ainda gostava de ter mais um filho, contudo, segundo denuncia, a tutela não lhe permite.

Disseram-me que não me posso casar nem ter mais um filho. Não estou aqui para ser escrava de ninguém".

A tutela, que foi concedida em 2008, permite ao pai controlar da vida e as finanças da filha. Esta decisão foi tomada após Britney ter sido internada por causa da sua saúde mental.

Jamie Spears não concordou com as acusações feitas e lamenta que a filha esteja a sofrer.

Ele lamenta ver sua filha a sofrer com tanta dor. Ele ama a filha e sente muitas saudades dela”, leu o representante de Jamie no tribunal.

A juíza Brenda Penny agradeceu as palavras de Britney, mas ainda não tomou nenhuma decisão.

Dezenas de fãs do movimento #FreeBritney ("Libertem a Britney") reuniram-se no exterior do edifício do tribunal, exigindo que a cantora seja livre.

Rafaela Laja / IC