O ministro dos Negócios Estrangeiros da República Checa, Tomas Petricek, vai convocar o embaixador chinês em Praga, depois de Pequim ter advertido que o país europeu pagará "caro" pela visita de uma delegação a Taiwan.

Ao anunciar a sua intenção de pedir explicações ao representante do Governo chinês, Petricek considerou que a reação de Pequim "ultrapassou o limite".

O ministro referia-se às declarações do homólogo chinês, Wang Yi, que avisou que a República Checa vai pagar "caro" por "desafiar o princípio de ‘uma China’ com a visita a Taiwan de uma delegação checa chefiada pelo presidente do senado, Milos Vystrcil.

"Desafiar o princípio de ‘uma China’ é equivalente a tornar-se no inimigo de 1,4 mil milhões de chineses", advertiu Wang Yi, durante a atual viagem pela Europa, em declarações publicadas hoje pelo ministério dos Negócios Estrangeiros chinês.

Para Pequim, a visita da delegação checa é "um ato de traição internacional".

Petricek considerou as declarações de Wang como "abruptas e incomuns na diplomacia" e indicou que o seu país está pronto para "protestar".

"Espero que a parte chinesa explique estas palavras, que ultrapassaram os limites", afirmou, enquanto lembrou que o governo checo respeita a política de "uma China" e que a viagem do senador a Taiwan "não mudou nada".

Vystrcil, do Partido Democrático Cidadão (ODS), liberal-conservador, e que integra a oposição na Câmara dos Deputados, disse à imprensa checa em Taiwan que a declaração de Pequim representa uma "interferência nos assuntos internos da República Checa".

"Somos um país livre, que tem interesse em manter boas relações com todos, e espero que isso continue apesar da declaração [chinesa]", explicou Vystrcil, que destacou o caráter económico da visita.

As empresas de alta tecnologia de Taiwan são os maiores investidores na República Checa, enquanto a robusta democracia do país marca um forte contraste com o sistema autoritário do Partido Comunista da China.

Durante a sua visita, Vystrcil deve encontrar-se com a Presidente taiwanesa, Tsai Ing-wen, que é repudiada por Pequim devido à sua posição pró-independência.

A visita de seis dias de Vystrcil a Taiwan foi motivada em parte por reclamações do lado checo de que a China estava a introduzir elementos políticos indesejados nas suas relações.

Praga e Pequim romperam as relações entre cidades geminadas depois de a China se recusar a retirar a linguagem do acordo que ditava que o governo da cidade apoiasse o "princípio de ‘uma China'", que define Taiwan como parte da República Popular da China.

O antecessor de Vystrcil, Jaroslav Kubera, tinha uma viagem planeada a Taiwan.

Kubera morreu em janeiro passado e Vystrcil disse que a pressão da China, incluindo um aviso da embaixada chinesa contra a decisão de parabenizar a Presidente de Taiwan, Tsai Ying-wen, pela sua reeleição, contribuiu para a decisão de viajar para a ilha.

/ AM