Um alto executivo da Boeing afirmou hoje que a companhia pretende reconquistar a confiança dos clientes, estando a trabalhar para que os jatos 737 Max voltem a operar após os acidentes aéreos que causaram mais de 300 mortos.

Depois de os acidentes com os 737 Max terem causado 346 mortos, Stan Deal, presidente e CEO da `Boeing Commercial Airplanes´, garante que o objetivo número um da empresa é obter a confiança dos reguladores norte-americanos e voltar a operar com segurança o respetivo avião.

Falando aos jornalistas no Dubai, uma das maiores plataformas da aviação mundial, Stan Deal vincou que a empresa quer "restaurar a confiança dos clientes e do público em voar na Boeing", designadamente no 737 Max.

Entretanto, documentos internos da Boeing revelaram que os funcionários da empresa haviam manifestado preocupações sobre o design de um sistema de controlo de voo que terá estado na origem dos acidentes e com o ritmo acelerado da produção de aviões.

O Boeing 737 MAX foi suspenso em março de 2019, depois de dois acidentes que causaram a morte de 346 pessoas, além de apresentar diversos outros problemas técnicos.

Um avião da companhia aérea Lion Air caiu, em outubro de 2018, no Mar de Java, com 189 pessoas a bordo, 13 minutos depois de ter descolado do aeroporto de Jacarta, informaram as autoridades indonésias. Em março do ano seguinte, um avião do mesmo modelo caiu na Etiópia, matando todas as 157 pessoas.