Bispos, sacerdotes, dirigentes de ordens religiosas e alguns fiéis recordaram este sábado, em Lourdes, as cerca de 216 mil vítimas de abusos de menores identificadas na Igreja francesa, meditando diante de uma foto e rezando uma oração de arrependimento.

Num relatório do início de outubro último, uma comissão estimou que cerca de 216 mil pessoas tinham sido vítimas de violência sexual desde 1950, quando eram menores, por clérigos (padres ou diáconos) ou outros responsáveis religiosos da Igreja Católica em França.

A comissão Sauvé também estimou que o número de predadores envolvidos em 70 anos em cerca de mil.

No dia seguinte à publicação deste relatório condenatório, o Papa Francisco expressou a "sua vergonha", exortando "os católicos franceses a assumirem as suas responsabilidades para que a Igreja seja um lar seguro para todos".

Depois de ter reconhecido na sexta-feira a sua responsabilidade nos crimes sexuais contra menores e a sua dimensão "sistémica" nos últimos 75 anos, o episcopado, reunido em assembleia plenária desde terça-feira passada em Lourdes, no sudoeste de França, local de peregrinação dos cristãos, realizou "dois atos" simbólicos.

Primeiro, um gesto de homenagem: foi revelada uma foto, tirada numa igreja por uma vítima, mostrando uma escultura representando a cabeça de uma criança chorando, colocada numa das paredes do hemiciclo onde se reúnem os bispos, que prefigura a construção de um "lugar de memória", decidido em março pelos bispos, mas cujos detalhes ainda estão por definir.

Rapazinho quem te arrastou para o seu segredo vergonhoso? Quem fez de ti o seu negócio?", perguntou Eric de Moulins-Beaufort, presidente da Conferência dos Bispos de França, enquanto Véronique Margron, presidente das Corref (ordens religiosas), denunciou o "discurso proibido, dentro e fora" das crianças vítimas.

Segundo gesto: os 120 bispos que não envergavam vestes litúrgicas a pedido das vítimas, religiosos, sacerdotes e leigos, dirigiram-se à esplanada da Basílica de Nossa Senhora do Rosário, e após um lento repicar de sinos em sinal de morte, participaram numa oração de penitência e pediram o "perdão de Deus".

Alivie as pessoas que sofrem, imploramos de joelhos. Que os oiçamos para fazer o que nos pedem”, rogou Eric de Moulins-Beaufort, 59 anos, arcebispo da Arquidiocese de Reims.

“Vivi estes momentos com muita emoção”, declarou uma das vítimas, Véronique Garnier, no final desta cerimónia, sublinhando que era importante “fazer justiça”.

Pelo contrário, uma pessoa que se apresentou como vítima, filho de um sacerdote pertencente à Congregação dos Padres do Sagrado Coração de Jesus de Bétharram, estabelecida perto de Lourdes, disse que o fez gritar a sua "raiva", na esplanada.

“O arrependimento é um cachimbo”, denunciou Jean-Marie Delbos, 75 anos, alegando não ser ouvido pela Igreja.

Hoje à tarde, cerca de vinte fiéis, com fitas roxas amarradas no braço ou no pescoço, reuniram-se atrás de uma faixa reivindicando "os 4 R", ao chamado do coletivo "Das palavras às ações". "R" para "reconhecimento", "responsabilidade", "reparação" e "reforma".

Membros de associações comprometidas com a Igreja (especialmente em favor de um lugar maior para as mulheres) leram em voz alta os testemunhos das vítimas.

Em Paris, algumas dezenas de pessoas reuniram-se em frente à sede da Conferência Episcopal Francesa em apoio às vítimas.

Decisões fortes, em particular sobre a reparação das vítimas, incluindo na sua dimensão financeira, são aguardadas na próxima segunda-feira, quando encerram os trabalhos da conferência.

/ AG