A Itália propôs, este domingo, a criação de “centros internacionais de proteção” que possam rastrear os pedidos de asilo em países de trânsito comuns e mais apoios da União Europeia para ajudar a guarda costeira da Líbia a patrulhar os barcos com migrantes.

A proposta do Governo italiano para reformular a forma como a Europa gere a imigração foi hoje apresentada pelo primeiro-ministro, Giuseppe Conte, em Bruxelas durante a reunião informal europeia sobre migrações.

O plano italiano, composto por 10 pontos, considera que as atuais regras europeias de asilo são “obsoletas” e “paradoxais”, tendo em conta que o regulamento efetivamente significa que os migrantes só podem solicitar asilo ao país europeu onde chegam, geralmente a Itália e Grécia.

A proposta italiana defende também que outros países europeus criem centros de acolhimento para requerentes de asilo para que este problema não seja apenas de alguns países.

A Itália apela também para que a União Europeia invista nos países de origem dos migrantes.