A China anunciou esta quinta-feira que concordou com os Estados Unidos reduzir "progressivamente" as taxas alfandegárias adicionais sobre bens importados um do outro, à medida que os dois países avançarem nas negociações por um acordo comercial.

Os principais negociadores dos dois países (...) concordaram em reduzir gradualmente as taxas adicionais, à medida que houver progressos na negociação por um acordo final", afirmou Gao Feng, porta-voz do ministério chinês do Comércio.

A anulação parcial das taxas é uma condição para a realização de um acordo definitivo, disse Gao.

O porta-voz considerou que os responsáveis pelas negociações da China e dos Estados Unidos chegaram a um "consenso" após conversas "extensas, construtivas e sérias", ao longo das últimas semanas.

Se a China e os Estados Unidos chegarem a um acordo nesta 'primeira fase', os dois lados deverão eliminar as taxas em simultâneo e na mesma proporção", acrescentou.

As delegações esperam resolver o conflito "com base na igualdade e no respeito mútuo", disse.

Em 26 de outubro, o Governo chinês confirmou o progresso das negociações por um acordo parcial e assegurou que as consultas técnicas sobre o texto já tinham sido concluídas.

O Presidente dos EUA, Donald Trump, descreveu o pacto como uma "primeira fase" num processo que pode ser partido em até três etapas e suspendeu os seus planos de aumentar as taxas sobre várias importações oriundas do país asiático.

A China comprometeu-se a aumentar as compras de produtos agrícolas dos EUA para um valor entre 40.000 e 50.000 milhões de dólares.

Nenhum dos países publicou detalhes sobre o acordo até agora, mas Trump disse que inclui várias medidas para evitar desvalorizações da moeda chinesa e proteger a propriedade intelectual de empresas norte-americanas, embora não aborde a transferência forçada de tecnologia na China, uma questão que discutirá "na segunda fase".

O acordo também não envolve a interdição à venda de tecnologia norte-americana ao grupo chinês de telecomunicações Huawei.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) tem alertado para o impacto na economia global das disputas comerciais entre as duas maiores economias do mundo e reduziu as previsões de crescimento para os EUA e para a China em 2018 e 2019.

Os governos dos dois países impuseram já taxas alfandegárias sobre centenas de milhares de milhões de euros de bens importados um do outro, numa guerra comercial que começou no verão do ano passado.

Em causa estão os planos de Pequim para o setor tecnológico, que visam transformar as firmas estatais do país em importantes atores globais em setores de alto valor agregado, como inteligência artificial, energia renovável, robótica e carros elétricos.

Os EUA consideraram que aqueles planos, impulsionados pelo Estado chinês, violam os compromissos da China em abrir o seu mercado, nomeadamente ao forçar empresas estrangeiras a transferirem tecnologia e ao atribuir subsídios às empresas domésticas, enquanto as protege da competição externa.

Donald Trump colocou também a gigante chinesa das telecomunicações Huawei numa "lista negra", que restringe as empresas dos EUA de fornecer 'chips', semicondutores, 'software' e outros componentes, sem a aprovação do Governo.