O suspeito de ser o mandante do atentado contra o jornal Charlie Hebdo em janeiro de 2015 foi levado hoje sob custódia das autoridades francesas quando chegou a Paris, informou o Ministro do Interior, Christophe Castaner.

Peter Cherif "fugiu da justiça francesa, perante a qual deve responder pelas suas ações", escreveu o ministro na rede social Twitter, numa publicação em que aproveita para elogiar "a eficácia" dos serviços que tutela e a cooperação internacional.

O francês, de 36 anos, também conhecido pelo pseudónimo de Adbou Hamza, foi detido a 16 de dezembro em Djibuti.

Peter Cherif é considerado suspeito de ser o mandante do atentado ao Charlie Hebdo e era próximo dos autores materiais do atentado, os irmãos Kouachi, que foram mortos pela polícia na sequência de uma perseguição policial.

A 7 de janeiro de 2015, os irmãos Chérif e Saïd Kouachi, armados com ‘kalashnikov', irromperam no edifício do jornal à hora da reunião da redação e mataram 12 pessoas, nomeadamente os caricaturistas históricos Cabu, Charb, Honoré, Tignous e Wolinski que são regularmente evocados numa redação “reconstruída e sólida”.