As autoridades estimam que pelo menos 60 catatuas tenham sido envenenadas, em Adelaide, no sul da Austrália. Muitos destes animais foram encontrados por crianças, junto a uma escola primária, em One Tree Hill. As crianças que ali estavam num programa de férias escolares, ficaram bastante perturbadas.

Os veterinários que resgataram os pássaros descreveram o cenário como “algo saído de um filme de terror”. Os animais apresentavam sangue a sair-lhes dos olhos, nos bicos e no pescoço.

Desde que foram descobertos, as equipas de resgate encontraram um total de 60 pássaros. Cinquenta e oito morreram. A maioria eram catatuas de bico comprido, que é uma espécie protegida na Austrália.

Sarah King, a fundadora do Casper’s Bird Rescue, revelou à Yahoo que foi um colega do mesmo centro que tomou conta da ocorrência, na última quarta-feira.

“Quando ele lá chegou, ligou-me, muito agitado, e disse que eram em número muito elevado.[…] Estavam, literalmente, a cair das árvores à sua frente, a cair do céu. […] Apenas dois ou três estavam mesmo mortos. Os restantes estavam em sofrimento no chão.”, contou Sarah King. 

Um dos veterinários que tratou destes animais disse à Australian Broadcasting Corporation que o cenário de envenenamento intencional é bastante provável. O local onde as aves foram encontradas, One Tree Hill, tem estado a braços com estragos causados por estes animais. Os residentes desta zona queixam-se de que o barulho feito pelos pássaros durante a noite os impede de dormir, além de terem sido registados estragos em propriedades e zonas agrícolas.

Sarah King disse também que o tipo de veneno utilizado para matar estes animais provocou uma morte lenta e dolorosa que pode levar semanas. Um grupo de veterinários realizou exames toxicológicos, para determinar qual o veneno utilizado, cujos resultados ainda não conhecidos. Presume-se que se trate de um veneno específico para matar coelhos ou raposas, que provoca precisamente estes sintomas. 

O Departamento estatal para o Ambiente e a Água afirmou à BBC que a causa destas mortes ainda não está confirmada e que os resultados dos testes realizados podem demorar semanas.