Um leão com cancro de pele no focinho está a ser tratado com radioterapia, o que é uma boa notícia para os tratadores do felino. A curiosidade é que o animal não está numa clínica veterinária, mas num hospital da cidade de Pretoria, na África do Sul.

Chaos, assim se chama o leão, tem 16 anos e vive desde sempre no santuário Lory Park, naquele país, mas agora vai fazendo umas viagens até ao hospital. Os outros pacientes partilham agora o Muelmed Mediclinic com o animal de quase 260 quilos, mas os responsáveis garantem que todas as condições de segurança estão asseguradas.

Para os tratamentos, o leão é acompanhado por cinco radioterapeutas e um médico oncologista do hospital uma vez que não existem clínicas com radioterapia para animais no país.

Kara Heynis, a tratadora de Chaos, soube desde o princípio que submeter o leão a este tratamento ia ser uma escolha cara, mas que “totalmente vale a pena”, escreve o 24 News.

Ele é como um filho para nós, fazemos tudo o que for preciso por ele”, afirmou a tratadora.

Hanri Reyonlds, especialista em radiologia, garante que o animal esteve sempre acompanhado e com acesso a tudo o que precisava.

Somos uma instalação zoológica registada, por isso ele foi acompanhado em todos os momentos e tinha todas as autorizações necessárias” garantiu o especialista. “Começámos o processo de transporte para o hospital cerca das 10:30 horas e às 13:15 ele já estava em casa”, continuou.

Não havia outros pacientes humanos na sala quando ele esteve em tratamento e, além disso, ele entrou no hospital por uma porta traseira”, explicou o profissional daquele hospital.

O tratamento do leão Chaos vai durar aproximadamente um mês.

A esperança de média de vida de um leão livre na natureza é de cerca de 14 anos, mas aqueles que são mantidos em cativeiro podem chegar aos 22 anos.

Geralmente, os animais sem pelo, como os hipopótamos ou os elefantes, são mais propícios ao desenvolvimento de cancro de pele.