A presença da polícia foi reforçada nas ruas de Nova Iorque, devido às eleições presidenciais de 3 de novembro, mas os manifestantes queixam-se que os agentes são em número desproporcionado em relação aos participantes em protestos.

Vídeos e comentários publicados por manifestantes na rede social Twitter dão conta de um forte dispositivo policial, que em muitos casos não se compara à escassa presença de civis, depois de detenções alegadamente arbitrárias e utilização de técnicas de intimidação e dispersão.

Uma fotografia de Nova Iorque divulgada nas redes sociais mostra um troço da Quarta Avenida, ao lado da praça Union Square, totalmente ocupado por polícias com bicicletas, em equipamentos pretos e com capacetes, com um supermercado em fundo.

Entre os comentários à imagem nas redes sociais, pode ler-se: "o excesso da polícia de Nova Iorque é cómico" ou "e ainda assim, não temos professores suficientes nas escolas".

No terceiro dia depois das eleições presidenciais, ainda sem Presidente eleito à vista, os participantes em protestos em Nova Iorque acusaram a polícia de usar de violência desproporcionada, alegadamente de forma arbitrária.

São vários os exemplos de vídeos que mostram grupos de três ou mais polícias a cercar e levar ao chão um único manifestante.

Numa conta do Twitter sobre protestos em Nova Iorque ("NYC Protest Updates 2020"), foi publicada uma mensagem segundo a qual "uma centena de polícias atacou uma marcha que acontece semanalmente", na noite de quinta-feira (madrugada de sexta-feira em Lisboa).

Pelo menos uma dúzia de policías juntou-se para prender uma pessoa", lê-se também numa das publicações, acompanhada por vídeo.

Um organizador de uma marcha de defesa dos direitos de lésbicas, ‘gays’, bissexuais, transexuais e ‘queer’ (LGBTQ) foi detido, sem sapatos e sem a bolsa com objetos de valor, o que foi considerado pelos participantes na manifestação como um ataque físico.

Recebemos este vídeo de oficiais do NYPD (Departamento de Polícia de Nova Iorque) a incitar violência na marcha 'We Choose Freedom', usando bastões para empurrar manifestantes", acusa-se na página, num vídeo publicado pelas 23:00, hora local (04:00 de Lisboa).

 

Os números das marchas já diminuíram e a força de intervenção rápida parece muito menos 'stressada'. O meu palpite é que tenham feito algumas detenções para assustar pessoas, para o grupo se afunilar numa dimensão mais fácil de gerir", alegou uma manifestante.

/ CE