O centro russo responsável pela criação da Sputnik V lamentou, neste sábado, que o presidente da Argentina, Alberto Fernández, tenha testado positivo à covid-19 depois de inoculado com esta vacina.

Estamos tristes com o sucedido. A Sputnik V’é 91,6% eficaz contra infeções e 100% eficaz contra casos graves. Se a infeção for confirmada, a vacinação garante uma recuperação rápida sem sintomas graves", reagiu o Centro Gamaleya de Microbiologia e Epidemiologia do Ministério da Saúde da Rússia.

"Desejamos uma recuperação rápida!", acrescentou o Centro Gamaleya, na mesma mensagem, depois de Fernández ter anunciado o seu possível contágio.

O presidente argentino, que completou 62 anos na sexta-feira, tinha sido vacinado contra a covid-19, e confirmou que deu positivo num teste de antigénio e aguarda o resultado do teste de PCR.

“Embora aguarde a confirmação pelo teste de PCR, já estou isolado, cumprindo o protocolo em vigor e seguindo as indicações do meu médico”, afirmou Fernández, que no passado dia 21 de janeiro recebeu a primeira dose da vacina Sputnik-V e a 11 de fevereiro recebeu a segunda dose.

Desde o início da pandemia, a Argentina contabilizou mais de 2,3 milhões de casos confirmados e cerca de 56 mil mortes, de acordo com a contagem da universidade norte-americana Johns Hopkins.

O país registou um pico de contágios em 21 de outubro último, com 18.326 casos, tendo o número de infeções baixado até março, altura em que começou a atual curva ascendente.

/ CM