Um piloto foi detido e condenado a oito meses de prisão, no Canadá, depois de ter tentado voar alcoolizado. O caso aconteceu no dia 31 de dezembro de 2016 e a decisão do tribunal foi, agora, conhecida. O piloto, da companhia aérea canadiana Sunwing, está também impedido de voltar a voar durante um ano, após cumprir a pena, avança a SkyNews.

Ainda segundo a mesma notícia, Miroslav Gronych, de 37 anos de idade, tinha uma taxa de alcoolémia três vezes acima do limite legal. Em tribunal assumiu a culpa.

No dia 31 de dezembro, véspera de Ano Novo, Miroslav Gronych tinha um voo marcado entre Calgary, no Canadá e Cancun, no México. Estavam 100 passageiros a bordo. Antes de embarcar, após acordar, terá bebido uma garrafa de vodka.

O piloto eslovaco, casado e com dois filhos pequenos, entrou no avião a praguejar e a cambalear. O copiloto sugeriu que se retirasse do aparelho e, por instantes, Miroslav Gronych saiu. Mas depois regressou ao cockpit, sentou-se numa cadeira e, aparentemente, terá perdido os sentidos.

Em tribunal, o advogado de defesa, confirmou que na noite anterior ao voo o piloto tinha bebido “alguns shots de vodka e tomado Tylenol” (um analgésico), porque sentiu “que estava a ficar constipado”. 

Acordou mais tarde e “bebeu o resto da garrafa” antes de ir para o aeroporto. Logo após a sua detenção, no último dia do ano, Miroslav Gronych perdeu o emprego.

Apesar da pena de oito meses e da inibição de pilotar por mais um ano, o juiz reconheceu um esforço. Desde a detenção inicial, o piloto começou um tratamento contra o alcoolismo, não voltou a beber e disse sentir “muito envergonhado” com o sucedido. Após cumprir a pena, o tribunal decretou ainda que Miroslav Gronych terá de abandonar o Canadá.