Pelos menos 41 escolas em Berlim registaram casos de covid-19 entre estudantes e professores, menos de duas semanas depois do início das aulas. Os números foram avançados na sexta-feira e confirmados pelas autoridades locais.

Centenas de estudantes e professores estão em quarentena, de acordo com o jornal alemão Daily Berliner Zeitung.

A capital alemã, que conta com cerca de 825 escolas, foi uma das primeiras cidades do país a reabrir as instituições de ensino.  A decisão gerou bastante polémica no país, com os críticos a afirmar que as regras de funcionamento são excessivamente permissivas.

Os alunos alemães são obrigados a usar máscaras nos corredores da escola, durante os intervalos e quando entram para as salas de aula, mas podem tirá-las logo que se sentem nos lugares e a aula comece.

O número de novos casos de covid-19 na Alemanha ultrapassou os 2.000 nas últimas 24 horas, o nível mais alto desde o final de abril, anunciaram já este sábado as autoridades locais.

O instituto de vigilância sanitária alemão RKI registou 2.034 novos casos, elevando o número de infetados desde o início da pandemia para 232.082. Registaram-se também sete novas mortes, o que neste caso eleva o número de óbitos no país para 9.267.

O número de novos casos diários aumentou acentuadamente nos últimos dias. As autoridades explicam esta situação pelo retorno de muitos turistas alemães do estrangeiro das férias de verão de áreas de risco.

Recorde-se que também Portugal já tem planos para o regresso às aulas no mês de setembro. Entre as medidas propostas para retomar a atividade escolas estão intervalos de cinco minutos, aulas a começar mais cedo e a terminar mais tarde, alunos a ajudar na desinfeção das salas e as cantinas com serviço de take-away.

Todas as escolas vão começar com ensino presencial, sendo que em qualquer momento poderão passar para um modelo de ensino misto ou à distância, segundo o Ministério da Educação. 

Algumas normas, como a definição de circuitos de circulação dentro das escolas, o uso obrigatório de máscaras ou a higienização dos espaços, serão regras para todos, mas existem soluções adaptadas às características de cada escola.