O Governo alemão considera “bastante provável” que o opositor russo Alexei Navalny, hospitalizado em coma em Berlim, tenha sido vítima de envenenamento, afirmou esta segunda-feira o porta-voz do executivo.

“Trata-se de um paciente que, de forma bastante provável, foi vítima de um ataque com veneno”, disse à imprensa Steffen Seibert, ao justificar porque foi oferecida proteção policial a Navalny no hospital de Berlim onde está hospitalizado.

“A suspeita não é que Navalny se tenha envenenado a si próprio, mas que alguém o tenha envenenado, suspeita que o Governo alemão leva muito a sério”, acrescentou.

Principal opositor de Vladimir Putin, conhecido pelas investigações anticorrupção a membros da elite russa, Alexei Navalny, 44 anos, sentiu-se mal na quinta-feira durante um voo de regresso de Tomsk, na Sibéria, para Moscovo.

A família e a equipa de Navalny suspeitam que tenha sido vítima de um “envenenamento intencional”.

O avião aterrou de emergência em Omsk, também na Sibéria, e o opositor esteve aí internado, em coma e ligado a um ventilador, até sábado, quando os médicos russos autorizaram a sua transferência para a Alemanha, para o hospital universitário berlinense Charité.

A transferência foi realizada pela organização não-governamental “Cinema for Peace”, que enviou um avião-ambulância e uma equipa de especialistas a Omsk.

A equipa médica russa começou por recusar a transferência do doente ou o acesso a ele por parte dos especialistas alemães, mas na sexta-feira à tarde acabou por autorizar que os médicos alemães avaliassem o opositor e, mas tarde, que fosse transferido.

Esta segunda-feira, numa videoconferência de imprensa, o diretor do hospital de Omsk, Alexander Mourakhovski, assegurou não ter havido qualquer pressão para manter Navalny naquela unidade.

“Não acertámos o diagnóstico com ninguém. Não foi exercida nenhuma pressão externa sobre nós”, disse.

A recusa inicial de autorizar a transferência de Navalny foi considerada pela sua equipa como uma “decisão política” que colocava em risco a vida do opositor.

Apoiantes de Navalny suspeitam que a recusa tenha sido uma tentativa de ganhar tempo até que fosse impossível detetar substâncias tóxicas no organismo do opositor.

/ AM