A defesa antiaérea foi ativada na Síria durante a madrugada de hoje para combater uma "agressão aérea" atribuída a Israel nas proximidades de Aleppo, cidade do Norte do país, informou a agência noticiosa oficial síria.

Desde o início do conflito na Síria em 2011, Israel realizou centenas de ataques contra as forças do regime, mas também contra os aliados sírios, o Irão e o grupo Hezbollah libanês.

À 01:30 (23:30 de quinta-feira em Lisboa), o inimigo sionista levou a cabo uma agressão aérea, visando os arredores da cidade de Aleppo com explosões de mísseis", relatou a agência Sana, citando uma fonte militar.

A defesa aérea foi ativada e foram "abatidos a maior parte" dos mísseis, acrescentou a agência oficial síria, que não identificou as posições do ataque.

Nas últimas semanas, várias incursões semelhantes, frequentemente imputadas ao Estado judaico, visaram posições a sul de Damasco, no centro da Síria ou no extremo oriente perto da fronteira com o Iraque, por vezes matando combatentes pró-iranianos ou soldados do regime, segundo o Observatório dos Direitos Humanos sírio (OSDH).

O exército israelita raramente fornece informações sobre as suas operações na Síria, mas tinha relatado que a 03 de agosto atingiu alvos militares no sul da Síria com aviões de combate, helicópteros de ataque e outros aviões de guerra.

Após a morte de um combatente do Hezbollah a 20 de julho num bombardeamento israelita, o chefe do grupo Hezbollah, Hassan Nasrallah, avisou que a sua organização mataria um soldado israelita por cada combatente morto pelo Hezbollah.

Iniciado em 2011 com a repressão das manifestações pró-democracia, o conflito na Síria tornou-se mais complexo ao longo dos anos, com a intervenção de várias potências estrangeiras. Resultou em mais de 380.000 mortes.

/ BC