A Bielorrússia alertou esta terça-feira a Polónia contra qualquer "provocação" na fronteira entre os dois países onde milhares de migrantes e refugiados se juntam na esperança de entrar na União Europeia.

Queremos alertar a Polónia com antecedência contra o uso de qualquer provocação" contra a Bielorrússia, disse o Ministério dos Negócios Estrangeiros do regime de Minsk.

Na segunda-feira, a Polónia bloqueou centenas de pessoas que tentavam passar a fronteira da Bielorrússia, sobretudo refugiados do Médio Oriente.

Do lado polaco, a zona de fronteira está vedada por arame farpado e fortemente guardada. 

Esta terça-feira, ​​​​​​o primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki, disse mesmo que a crise migratória na fronteira com a Bielorrússia ameaça a "estabilidade e a segurança de toda a União Europeia".

Fechar a fronteira polaca é uma questão de interesse nacional. Mas atualmente é a estabilidade e a segurança de toda a União Europeia que está em jogo", escreveu o chefe do Governo polaco através da rede social ‘Twitter’. 

A União Europeia acusa o regime de Alexandr Lukashenko de orquestrar a pressão da vaga migratória e de refugiados em resposta contra as sanções impostas por Bruxelas contra a Bielorrússia.

Washington e Bruxelas já apelaram a Minsk no sentido de pôr termo ao que consideram ser uma "vaga migratória organizada" pela Bielorrússia. 

Peter Stano, porta-voz do chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, admitiu a possibilidade de imposição de novas sanções contra Minsk.

A Aliança Atlântica disse na segunda-feira que a forma como a Bielorrússia está a "utilizar" a questão migratória é "inaceitável".

O Ministério da Defesa da Bielorrússia reiterou as acusações contra a Polónia - sobre a forma como Minsk está a lidar com a vaga migratória - e que considera "sem fundamento" acrescentando que Varsóvia está a tentar "deliberadamente" provocar o incremento da tensão.

O Ministério da Defesa polaco não procura uma solução construtiva sobre o assunto e procura de forma deliberada uma situação de conflito elevando-a a um nível político", disse ainda o Ministério da Defesa da Bielorrússia.

Por outro lado, o ministro do Interior da Bielorrússia, Ivan Koubrakov, citado pela agência oficial Belta, os "migrantes", principalmente os que são originários do Médio Oriente, encontram-se "legalmente" em território bielorrusso. 

/ NM