A Alemanha, que atualmente preside à União Europeia, iniciará discussões sobre possíveis sanções contra a Rússia se Moscovo não der "nos próximos dias" explicações sobre o envenenamento de Alexei Navalny, avisou este domingo o chefe da diplomacia alemã.

Estabelecer ultimatos não ajuda ninguém, mas se nos próximos dias o lado russo não ajudar a esclarecer o que aconteceu, então teremos de discutir uma resposta com os nossos parceiros", disse Heiko Maas ao diário Bild.

Heiko Maas sublinhou ainda que as sanções que fossem decididas teriam de ser "direcionadas".

Na sexta-feira, França e Alemanha voltaram a exigir, em comunicado conjunto, explicações à Rússia após o envenenamento do opositor russo Alexei Navalny, apelando a que os responsáveis pelo ataque sejam “identificados e levados à justiça”.

Principal opositor do presidente russo, Vladimir Putin, conhecido pelas investigações anticorrupção a membros da elite russa, Alexei Navalny, 44 anos, está internado, em coma, desde 20 de agosto.

O político sentiu-se mal durante um voo de regresso a Moscovo, após uma deslocação à Sibéria. Foi primeiro internado num hospital de Omsk, na Sibéria, tendo sido transferido, posteriormente, para o hospital universitário Charité, em Berlim.

O Novichok integra um grupo particularmente perigoso de agentes neurotóxicos russos que foram proibidos, em 2019, pela OPCW.

A conceção deste tipo de agente neurotóxico por cientistas soviéticos remonta aos anos de 1970 e 1980, as últimas décadas da Guerra Fria.

/ SS