Moscovo considera "inaceitáveis" as declarações do chefe da diplomacia dos Estados Unidos, Mike Pompeo, sobre o alegado envolvimento do Kremlin no envenenamento de Alexei Navalny, dirigente da oposição russa.

Nós consideramos inaceitável qualquer referência direta ou indireta ao envolvimento de responsáveis russos neste caso", disse aos jornalistas o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, reagindo às declarações de Pompeo.

Peskov acrescentou que a Rússia ainda não recebeu da Alemanha a "resposta ao pedido do Procurador Geral" russo que pediu informações sobre o estado de saúde de Alexey Navalny que se encontra num hospital de Berlim.

Infelizmente nós não conhecemos ainda os resultados das análises que foram pedidas aos nossos colegas alemães sobre o envenenamento do 'paciente berlinense'", afirmou Peskov que, tal como o presidente Vladimir Putin, se recusa a pronunciar o nome do dirigente da oposição.

Berlim diz que Navalny foi envenenado por um agente nervoso do tipo "Novichok" e promete divulgar factos sobre o crime ameaçando Moscovo com a aplicação de sanções.

Na quarta-feira, o ministro dos Negócios Estrangeiros apresentou um protesto formal ao embaixador alemão contra as "acusações infundadas e ultimatos" reforçando que a recusa da Alemanha em enviar os relatórios médicos constituem "provocação grosseira" e "hostilidade".

O caso Navalny está a afetar novamente as relações entre a Rússia e os países ocidentais.

A União Europeia admite aplicar sanções e Berlim não exclui proceder ao "congelamento" do principal gasoduto com a Rússia (Nord Stream 2).

Entretanto, um membro da organização de Alexei Navalny foi agredido por desconhecidos na cidade russa de Tcheliabinsk, a poucos dias das eleições locais.  

"O coordenador do nosso 'quartel-general', Alexei Barabochkine, foi atacado por desconhecidos. Não lhe roubaram nem o dinheiro nem o telefone, mas foi atingido", anunciou hoje o gabinete do grupo de oposição na região russa de Tcheliabinsk, na Sibéria, através da internet.

Segundo a mesma mensagem, Barabochkine, que tinha sido ameaçado por desconhecidos há vários dias, foi transportado para o hospital com uma fratura no crânio. 

As eleições locais na região vão realizar-se no próximo fim de semana, assim como em outras zonas do país que votam para os respetivos parlamentos regionais. 

No final do mês de agosto, Alexey Navalny deslocou-se à Sibéria no âmbito da campanha eleitoral, tendo estado em contacto com as estruturas locais do grupo da oposição que dirige.

/ BC