51 mil milhões e 0 são os dois números que, de acordo com Bill Gates, é preciso ter em conta quando se fala sobre o clima.

De acordo com o multimilionário, encontrar uma solução para as alterações climáticas seria "a coisa mais incrível que a humanidade já fez". Em comparação, acabar com a pandemia de covid-19 é "muito, muito fácil".

Em entrevista à BBC, Bill Gates esclarece que os 51 mil milhões é a quantidade de toneladas de gases de efeito estufa que o mundo normalmente adiciona à atmosfera a cada ano. E o zero é onde temos de chegar.

Nunca fizemos uma transição como a que precisamos fazer nos próximos 30 anos. Não há precedente para isso", alerta o dono da Microsoft.

Isto significa reduzir as emissões para um nível em que as emissões de gases de efeito estufa remanescentes sejam equilibradas pela absorção de uma quantidade equivalente da atmosfera.

Mas como resolver o problema?

A resposta, segundo Bill Gates, está num esforço de inovação a uma escala que o mundo nunca antes viu: "E isso tem que começar pelos governos".

Atualmente, o sistema económico não cobra o "custo real" do uso dos combustíveis fósseis, alega. A maioria dos utilizadores não paga pelos danos feitos ao meio ambiente provocados ​​pela poluição da gasolina no carro carro ou do carvão ou gás que gera eletricidade em casa.

E é exatamente por isso que os governos têm que intervir, esclarece Bill Gates. E, no caso do clima, afirma que será impossível evitar um desastre, sobretudo para quem vive perto da linha do Equador, sem que os governos de todo o mundo participem neste esforço.

As empresas simplesmente não podem mudar toda a infraestrutura física a menos que os sinais do mercado sejam constantes e muito claros", acrescenta.

No entanto, Bill Gates acredita que a nova geração tem a "convicção moral" de que é preciso para realizar as mudanças nesta questão.

Para além disso, admite que a esperança é que "tenhamos um pouco de sorte e consigamos desenvolver novas tecnologias inovadoras que realmente resolvam as áreas difíceis"

Já vi isso muitas vezes, a inovação surpreende-nos de forma positiva", conclui Gates.

 

Rafaela Laja