A jovem ativista sueca Greta Thunberg dirigiu-se aos haters que a perseguem nas redes sociais, defendendo que a sua "diferença" - o Síndrome de Asperger, uma perturbação do espectro do autismo - é um "super poder".

Quando os 'haters' te perseguem pelo teu aspeto e pelas tuas diferenças, isso significa que é tudo o que têm. E então sabes que estás a ganhar! Eu tenho síndrome de Asperger e isso significa que às vezes sou um pouco diferente dos outros. E, dadas as circunstâncias, ser diferente é um super poder", escreveu a jovem de 16 anos, numa publicação no Instagram. 

Greta Thunberg afirmou, também, que não fala publicamente sobre o seu diagnóstico para se "esconder atrás dele", mas porque sabe "que muitas pessoas ignorantes ainda o veem como uma doença ou algo negativo".

E acreditem, o meu diagnóstico limitou-me em tempos. Antes de iniciar a greve escolar não tinha energia, amigos e não falava com ninguém. Limitava-me a ficar sozinha em casa, com um distúrbio alimentar. Mas tudo isto já passou, desde que encontrei um sentido num mundo que parece sem sentido para tantas pessoas", escreveu, ainda.

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

When haters go after your looks and differences, it means they have nowhere left to go. And then you know you’re winning! I have Asperger’s syndrome and that means I’m sometimes a bit different from the norm. And - given the right circumstances - being different is a superpower. I'm not public about my diagnosis to "hide" behind it, but because I know many ignorant people still see it as an "illness", or something negative. And believe me, my diagnosis has limited me before. Before I started school striking I had no energy, no friends and I didn’t speak to anyone. I just sat alone at home, with an eating disorder. All of that is gone now, since I have found a meaning, in a world that sometimes seems meaningless to so many people. #aspiepower #neurodiverse #npf

A post shared by Greta Thunberg (@gretathunberg) on  

Greta Thunberg encontra-se há mais de duas semanas nos Estados Unidos, onde nesta sexta-feira se vai juntar a uma greve escolar em Washington, que vai ter lugar junto à Casa Branca.

Em entrevista à CBS na terça-feira, a jovem sueca foi desafiada a aprofundar o que quis dizer com "super poder", referindo-se ao Síndrome de Asperger.

Faz-te pensar de forma diferente. E numa crise [climática] tão grande como esta. precisamos de pensar fora da caixa e não como toda a gente", sustentou.

 

A próxima greve escolar em todo o mundo está marcada para o próximo dia 27. Em Portugal, tal como na maioria dos países, Greta Thunberg, que foi nomeada para o prémio Nobel da Paz, serve de inspiração e dedicação à luta pela defesa do clima.