A Comissão Europeia apresentou esta quarta-feira um plano para desenvolver a produção de hidrogénio totalmente renovável na União Europeia (UE), para reduzir a poluição em vários setores energéticos e chegar à neutralidade carbónica em 2050.

Para Bruxelas, o hidrogénio ‘limpo’ deverá contribuir para a redução de emissões de gases com efeito de estufa (GEE) em vários setores, permitindo, nomeadamente, substituir as fontes fósseis de energia na indústria, como a produção de aço.

Também o setor dos transportes poderá reduzir as suas emissões de GEE com a utilização de hidrogénio ‘limpo’ como combustível para as áreas dos transportes aéreos e marítimos, rodoviário de pesados e ainda para a produção de baterias e armazenamento de energia.

Numa primeira fase, haverá um período de transição até se conseguir garantir uma produção estável e a preços competitivos, durante a qual serão aplicadas técnicas de captura de carbono.

O hidrogénio renovável resulta da eletrólise da água realizada com eletricidade produzida a partir de fontes renováveis e a Comissão Europeia quer que este combustível represente 14% do ‘mix’ energético da UE até 2050.

Numa primeira fase, até 2025, o executivo comunitário tenciona apoiar a instalação de seis gigawatts (GW) de eletrolisadores de hidrogénio ‘limpo’ e uma produção até um milhão de toneladas deste combustível.

Entre 2025 e 2030, a meta sobe para 40 GW e dez milhões de toneladas.

A terceira fase, 2030-2050, será a da produção em grande escala de hidrogénio renovável.

O setor da energia é responsável pela emissão de 75% de GEE, segundo dados de Bruxelas.

/ HCL