As autoridades norte-americanas tiveram de fechar uma escola no estado do Ohio depois de encontrarem vestígios de urânio e neptúnio nas condutas de ar condicionado.

O caso aconteceu esta segunda-feira e está a preocupar a comunidade de Piketon, no sul do Ohio.

A poucos metros da escola está um antigo edifício do departamento de energia dos Estados Unidos, utilizado para investigação nuclear desde 1954 e que está desativado desde 2001, mas que ainda se encontra em processo de desmantelamento.

As plantas de ambos os edifícios mostram que os ares condicionados podem ser adjacentes, o que explica que vestígios de urânio e neptúnio, dois componentes radioativos e carcinogénicos, tenham sido encontrados em ambas as estruturas.

Numa carta aberta à comunidade, a direção da escola informou que decidiu fechar o estabelecimento de ensino até o problema estar resolvido, de forma a salvaguardar a segurança de todos os envolvidos. No mesmo comunicado, a direção disse que a escola já não deverá abrir este ano.

Qualquer nível de contaminação dentro ou perto da nossa escola é inaceitável”, lê-se no texto.

O departamento da energia dos Estados Unidos explicou que aquela central era uma das três maiores do país em difusão de gás, sobretudo durante o período da Guerra Fria. Desde então, tem sido levado a cabo um plano de limpeza. Isto não impede que ainda hoje possam sejam encontrados estes materiais utilizados em cenário nuclear.

A CNN escreve que, para estudar a situação, responsáveis da Universidade do Arizona levaram amostras de ar, da água e do solo da cidade para analisar.

Jennifer Chandler, funcionária da câmara, disse à CNN que nos últimos cinco anos foi detetado cancro em cinco crianças, das quais três morreram.

A escola de Piketon tem mais de 300 alunos e conta com 25 funcionários.