Um pai russo acusado de matar um amigo após ter encontrado vídeos dele a violar a sua filha de oito anos foi libertado, num momento em que um grande conjunto de pessoas apela a que a justiça o deixe sair impune.

Vyacheslav, um operário de 34 anos, estava a beber um copo com Oleg Sviridov, de 32, quando alegadamente viu o vídeo da agressão sexual à sua filha no telemóvel do amigo.

As imagens deixaram um rasto de violência que culminou com o homicídio de Oleg, cujo corpo foi encontrado numa floresta na vila de Vintai.

Um tribunal da região de Samara decidiu agora pela libertação de Vyacheslav, que cumprirá dois meses de prisão domiciliária enquanto decorre uma investigação ao incidente.

Regra geral, um crime desta natureza não resultaria numa medida preventiva tão leve, mas, na Rússia, tem existido uma manifestação de apoio público ao pai, incluindo de jornalistas proeminentes. A polícia disse ainda que o telefone do morto continha mais imagens de abusos sexuais conduzidos por ele a outras crianças na vila de Vintai.

Foi ainda comunicado que uma de suas alegadas vítimas era a filha de um ex-companheiro de residência.

O corpo de Sviridov foi descoberto pela polícia na quinta-feira, mais de uma semana depois de Vyacheslav ter visto o vídeo abusivo.

Vyacheslav denunciou os abusos à polícia local, que lançou uma caça ao homem contra Sviridov, mas o pai conseguiu encontrar o alegado abusador sexual antes da polícia.

O detido explicou mais tarde à polícia que a morte de Sviridov tinha sido acidental. “Ele foi contra uma faca durante uma discussão”, disse, de acordo com a comunicação social local.