O número de hospitalizados por infeção confirmada ou com suspeitas de listeriose na Andaluzia baixou para 34, menos três do que na terça-feira, entre os quais 15 grávidas, e os casos confirmados aumentaram para 214, mais três.

Os serviços de saúde andaluzes destacaram hoje que nas últimas 24 horas não houve novos abortos, nem recém-nascidos com infeção, nem mortes, pelo que o balanço deste surto de listeriose se mantém em três mortes e sete abortos.

Dos 34 hospitalizados, 31 estão internados em hospitais públicos e os três restantes em centros privados, enquanto na Unidade de Cuidados Intensivos continuam em tratamento três outros doentes, um número igual ao de terça-feira.

Entre a maioria dos hospitalizados em centros públicos, 22 estão internados em hospitais de Sevilha, menos sete do que na terça-feira, outros cinco em Cádis, dois em Málaga, um em Huelva e outro em Granada.

Na terça-feira, registaram-se três novos casos de infeção confirmada por listeriose monocytogenes, entre os quais se encontram duas grávidas. Uma delas deu à luz e o recém-nascido está em tratamento e pendente dos resultados das análises, enquanto uma segunda mulher continua grávida e está em tratamento.

Os serviços de saúde sublinharam que a redução do número de novos casos diários se mantém “de forma consolidada”, desde o dia 23 de agosto.

A distribuição provincial confirma que o surto de listeriose se concentra na província de Sevilha, com 175 casos, o que representa 82% do total, seguindo-se Huelva (17), Cádis (11), Málaga (6) e Granada (5).

O alargamento do tratamento a grávidas assintomáticas que comeram o alimento contaminado mantém-se “a bom ritmo”, graças ao “trabalho extraordinário” que estão a fazer todos os médicos de família, os ginecologistas e as parteiras, assim como ao “comportamento sereno e exemplar das mulheres grávidas”, segundo o comunicado.

Dados provisórios recolhidos até às 12:00 de terça-feira, indicam que foram já contactadas 21.533 gestantes e que foi recomendado um tratamento com amoxicilina oral a 1.275 mulheres.

O porta-voz do gabinete técnico dos serviços de saúde e famílias para o acompanhamento da listeriose, José Miguel Cisneros, afirmou que os dados “continuam a mostrar que o surto está em remissão”, pela “redução contínua do número de casos novos de infeção e de pacientes hospitalizados”.