Quando a terra começou a tremer na ilha de Sulawesi, na Indonésia, Anthonius Gunawan Agung estava a trabalhar num posto de controlo do tráfego aéreo da região. Um avião estava prestes a partir. E Agung não abandonou a torre de controlo até que o aparelho pudesse descolar em segurança. Uma espera que se veio a tornar fatal. Agung é chamado de “herói” ou “anjo da guarda”.

Só depois de o avião comercial, da companhia aérea indonésia Batik Air ter partido, é que o jovem de 21 anos abandonou a torre de controlo, num aeroporto próximo da cidade de Palu.

Quando o terramoto aconteceu, ele estava a dar autorização ao Batik Air para descolar e esperou que o avião estivesse no ar em segurança antes de abandonar a cabine”, explicou o porta-voz do serviço de controlo de tráfego aéreo Yohanes Harry Sirait aos jornalistas.

Mas o edifício da torre de controlo já estava a colapsar devido aos abalos. Por isso, Agung acabou por saltar. Foi um salto para a morte. O jovem controlador aéreo ainda foi levado para o hospital, mas não resistiu aos ferimentos.

Agung é um "herói" para a imprensa do país e um "anjo da guarda" para os tripulantes e passageiros do avião que ajudou a descolar.

No Instagram,  o piloto que seguia no avião da Batik Air deixou uma homenagem ao jovem controlador e revelou as últimas palavras que este lhe disse.

'Batik 6231 pista 33 pode descolar'. Esta foi a sua última transmissão para mim. Obrigado por me ter protegido até ter ficado no ar em segurança. Depois, ele saltou da torre, partiu a perna e o braço. Honras a Anthonius Gunawan Agung, o meu anjo da guarda em Palu. Descansa em paz."

 

O mesmo piloto partilhou ainda um vídeo onde se vê a onda gigante que devastou a ilha de Sulawesi.

As autoridades indonésias elevaram para 844 o número de mortos dos terremotos e tsunami que atingiram a ilha de Sulawesi na sexta-feira, mas disseram acreditar que ainda existem "centenas de vítimas" soterradas.