Os Estados Unidos não devem voltar a entrar num novo confinamento, apesar do progressivo aumento das infeções por covid-19, relacionadas com a prevalência da variante Delta. A opinião é de Anthony Fauci, o principal conselheiro médico do presidente, Joe Biden.

Não creio que vamos ver confinamentos", disse o diretor do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infeciosas, numa entrevista à ABC.

Por detrás da convicção do especialista está a taxa de vacinação, que "não é suficiente para quebrar o vírus", mas será o bastante para impedir que a situação se agudize como aconteceu no passado.

Ainda que recuse a ideia de um novo confinamento, Anthony Fauci deixou bem claro: "As coisas vão piorar", atribuindo isso ao aumento dos casos da variante originalmente detetada na Índia, mencionando também as palavras "dor e sofrimento" para prever o que espera os Estados Unidos nos próximos tempos.

Temos 100 milhões de pessoas neste país que estão elegíveis para serem vacinadas e que não o estão a ser", referiu, numa altura em que os Estados Unidos combatem contra a resistência de grande parte da população à vacinação.

O número de doentes hospitalizados está a subir em todos os estados, e os casos diários quase duplicaram nos últimos dez dias.

Um dos casos mais claros é o estado da Florida, que este sábado bateu o recorde diário de contágios, com mais de 21 mil casos, número que sobe para mais de 110 mil em apenas uma semana, um aumento de 50% face aos sete dias anteriores.

As declarações de Anthony Fauci surgem depois da recomendação do Centro para o Controlo e Prevenção de Doenças, que reviu a norma de uso de máscara, recomendando a sua utilização nos sítios com maior nível de transmissão, mesmo para pessoas totalmente vacinadas.

António Guimarães