Quase três milhões de visualizações. É este o número de pessoas que já se deixaram impressionar pelo vídeo antijihadista promovido pela Zain Telecom, um operadora de telecomunicações do  Kuwait. O filme de três minutos é embalado por uma canção, mas são as imagens que contam a história.

O vídeo, divulgado na sexta-feira, véspera do Ramadão, rejeita o terrorismo islâmico e promove a tolerância.  As imagens estão a criar impacto, nomeadamente entre muçulmanos, o comentador dos Emirados Árabes Unidos, Sultan al Qassemi, foi um dos que reagiu através do Twitter, considerando que “só o Kuwait poderia fazer isto". 

O anúncio começa com imagens de um bombista suicida, que são acompanhadas com planos de muitas das vítimas de conhecidos atentados suicidas, em mesquitas, casamentos e autocarros.

O filme mostra-nos o antes e depois dos ataques. Entre os sobreviventes retratados está o menino sírio, Omar Daqneesh, fotografado, em Allepo, depois de um ataque aéreo. Uma referência que vale algumas críticas ao vídeo, por aludir à guerra na Síria. Nas redes sociais, muitos lembram que o menino foi vítima de Assad e não de islamitas.

Aparece então o refrão da música, cantada pelo cantor dos Emirados Árabes Unidos, Hussain Al Jassm, em que o refrão diz: "Louvado seja Deus com amor não terror”. Por fim, o vídeo mostra-nos o bombista a ser “perseguido” pelas vítimas dos atentados.

Esta não é a primeira vez que o Ramadão, período no calendário islâmico dedicado ao jejum, é usado no mundo árabe para enviar mensagens contra o terrorismo. Em 2006, uma novela saudita e outra síria atacaram os ideias islâmicos violentos. O sucesso foi tanto que desde então que pontualmente surgem iniciativas muçulmanas contra o terrorismo. No entanto, esta é a primeira vez que uma empresa privada toma a iniciativa.

Zain é uma das maiores operadoras de telecomunicações do mundo árabe. Além de Kuwait, onde está sediada, está presente no Iraque, Arábia Saudita, Bahrein, Jordânia, Líbano, Marrocos, Sudão e Sudão do Sul.