O secretário-geral das Nações Unidas (ONU) criticou esta segunda-feira a disparidade na vacinação contra a covid-19 em todo o mundo. Numa entrevista à agência Associated Press, António Guterres classificou de "totalmente inaceitável" o facto de 80% da população portuguesa já ter a vacinação completa, enquanto que outros países no continente africano só têm 2% da população totalmente inoculada.  

É completamente estúpido do ponto de vista da luta contra o vírus, mas se o vírus começar a propagar-se como um fogo selvagem no sul, vão surgir mutações", disse o antigo primeiro-ministro português, acrescentando que "as mutações estão a tornar [o vírus] mais transmissível, mais perigoso".

Nesse sentido, António Guterres voltou a avisar que as 20 maiores economias, habitualmente presentes no G20, falharam na ação contra a pandemia logo no início de 2020, sobretudo na criação de um plano global de vacinação. Para o secretário-geral da ONU, esse mesmo plano devia ter juntado os países que produzem vacinas com as instituições financeiras e as empresas farmacêuticas, tendo em vista a duplicação da produção de vacinas e uma distribuição equitativa.

Penso que é possível. Depende da vontade política", referiu.

Outro problema decorrente da pandemia é a questão económica, com o mundo a centrar-se agora na recuperação. Também aqui, segundo António Guterres, existe uma diferença entre as várias nações mundiais. Enquanto os mais ricos estão a gastar cerca de 20% do Produto Interno Bruto (PIB) na recuperação, os considerados mais ricos não vão além dos 2%.

Este é um problema que "é muito perigoso para a segurança global", o que também poderá levar a dificuldades numa luta conjunta contra as alterações climáticas, o grande objetivo da ONU para este século.

António Guimarães