O submarino argentino San Juan, que desapareceu a 15 de novembro de 2017 com 44 tripulantes, foi descoberto na sexta-feira no Oceano Atlântico, informou a Marinha daquele país em comunicado.

O Ministério da Defesa e a Marinha da Argentina informam que a investigação do ponto número 24 pelo [navio responsável pelas buscas] Ocean Infinity, a 800 metros de profundidade, permitiu a localização positiva da ARA San Juan", pode ler-se numa publicação na rede social Twitter.

 

O local onde o submarino foi encontrado é o mesmo onde há um ano foi identificada uma "anomalia hidroacústica" semelhante a uma explosão. De acordo com o jornal Clarín, as primeiras informações oficiais são de que o submarino está "achatado na proa e bastante intacto".

Familiares dos 44 tripulantes do submarino afirmaram à agência Efe estar "muito chocados" com a descoberta da embarcação.

É muito impactante. Graças a Deus eles estão em paz", contou Marta Vallejos, irmã de Celso, um dos tripulantes.

Desde setembro, a pesquisa foi conduzida pela Ocean Infinity, uma empresa norte-americana privada, que deveria detê-los até fevereiro.

O barco da Ocean Infinity decidiu fazer uma nova busca e, graças a Deus, ele conseguiu encontrar a área", onde o submersível se afundou, disse ao canal argentino Todo Noticias o porta-voz da Marinha, Rodolfo Ramallo.

No final de 2017 e no início de 2018, navios de uma dúzia de países haviam tentado localizar o submarino, sem sucesso, e a Marinha prosseguiu a busca com poucos recursos.

Agora é outro capítulo que se abre. Depois de analisar o estado do submarino, vamos ver como vamos proceder", acrescentou o porta-voz.

A 15 de novembro de 2017, o submarino, de fabrico alemão, comunicou pela última vez a sua posição, quando regressava desde o porto austral de Ushuaia à sua base no mar da Prata. Transportava 44 tripulantes. Todos terão morrido na tal explosão.