A Rússia começou esta terça-feira a deslocar cerca de 2.000 soldados para manter a paz na região de Nagorny Karabakh, após um acordo assinado na segunda-feira entre a Arménia e o Azerbaijão pôr fim a seis semanas de combates.

Moscovo anunciou a descolagem dos primeiros seis aviões de transporte de forças de manutenção da paz russos para Nagorno-Karabakh, num total de 1.960 militares, 90 blindados e 380 veículos.

O Azerbaijão e a Arménia assinaram na segunda-feira, sob a égide da Rússia, um acordo para “um cessar-fogo total” em Nagorno-Karabakh.

O acordo consagra importantes vitórias militares do Azerbaijão naquela região montanhosa do Cáucaso, hoje habitada quase exclusivamente por arménios, que declarou independência do Azerbaijão após uma guerra nos anos 1990.

Desde o fim de setembro que se registavam combates entre os separatistas arménios apoiados por Erevan e o exército do Azerbaijão.

O acordo, que entrou em vigor às 21:00 TMG de segunda-feira (mesma hora em Lisboa), foi assinado pelo Presidente azeri, Ilham Aliev, e o primeiro-ministro arménio, Nikol Pachinian, assim como pelo Presidente russo, Vladimir Putin, que precisou que os beligerantes mantêm "as posições que ocupam".

Este anúncio motivou manifestações de alegria no Azerbaijão e de cólera na Arménia, onde os manifestantes invadiram durante a noite a sede do Governo e do Parlamento.

O primeiro-ministro arménio disse na rede social Facebook que a assinatura do acordo fora "incrivelmente dolorosa", mas que a decisão se impunha face aos avanços do Azerbaijão.

O governante insistiu já hoje que o acordo lhe foi pedido pelas forças armadas, que identificaram "certos problemas para os quais não há qualquer solução à vista".

Por sua vez, o Presidente azeri proclamou na televisão “a rendição” do seu inimigo, apesar de não ter reconquistado toda a zona de Nagorno-Karabakh.

Este acordo aconteceu depois de as forças do Azerbaijão terem tomado o controlo da cidade-chave de Shushi, que tem um valor militar significativo por se situar numa região montanhosa, a cerca de 10 quilómetros da capital da região, Stepanakert, e na estrada principal que liga Nagorno-Karabakh à Arménia.

A região de Nagorno-Karabakh situa-se dentro dos limites do território do Azerbaijão, mas está sob controlo de forças locais etnicamente arménias, apoiadas pela Arménia, desde 1994.

A última série de combates começou no dia 27 de setembro e deixou centenas de pessoas mortas.

/ LF