Já no gabinete do chefe da polícia, com o braço partido, pediu água e compressas para as feridas «que não paravam de deitar sangue» mas deram-lhe um velho pano de cozinha