Um conhecido medicamento para o tratamento da asma pode reduzir a necessidade de internamento de doentes covid, bem como reduzir o tempo de recuperação, se for administrado nos primeiros sete dias após o aparecimento de sintomas, de acordo com um estudo divulgado, terça-feira, pela Universidade de Oxford.

A investigação em causa teve por base os efeitos do Pulmicort, vendido pela AstraZeneca, o mesmo laboratório que desenvolveu uma vacina contra a covid-19 em parceria com a universidade britânica.

O princípio ativo deste inalador é a budesonida, um glicocorticóide muito usado no tratamento da asma e do pulmão do fumador. O mesmo princípio ativo encontra-se num outro inalador da farmacêutica, o Symbicort, onde é combinado com fumarato de formoterol.

O estudo envolveu 146 pacientes e permitiu apurar, segundo os investigadores, que a inalação de budesonida reduziu o risco de internamento em 90% quando comparada com um tratamento normal. A budesonida foi, também, mais rápida a combater a febre e alguns sintomas persistentes.

Os investigadores decidiriam focar-se nos doentes asmáticos depois de perceberem que estavam muito pouco representados entre os casos de covid-19 que chegavam aos hospitais, nomeadamente na primeira vaga da pandemia.

É animador que um medicamento relativamente seguro, amplamente disponível e bem estudado possa ter impacto sobre as pressões que estamos a sofrer durante esta pandemia”, disse Mona Bafadhel, investigadora principal do estudo.

Estes resultados aguardam, agora, a revisão dos pares.

Catarina Machado